GNU Linux no Shack

Graças ao Windows, migrei completamente para o GNU/Linux. E fui usuário do Windows desde a versão 3.1, ou seja, um dinossauro.

Comecei a olhar mais para as distribuições Linux em meados de 2015, quando o veio o upgrade para o Windows 10. O upgrade não foi bem sucedido para mim. Já no final do mesmo ano, após, uma atualização emergência do sistema operacional, pelo fabricante, perdi toda a máquina do shack (santo backup ! ).

Foi a partir de então que migrei, sem pensar muito para o mundo Linux. A máquina do shack já estava formatada mesmo e tinha um disco de boot com a imagem do Ubuntu (já desatualizada).

Passei boa parte de 2016 nessa distribuição, aprendendo um pouco desse novo ambiente. Sinceramente, muito simples e intuitivo.

Já em 2017 mudei para o Linux Mint, distribuição muito mais amigável, que o já amigável Ubuntu.

Essa migração não parou na máquina do shack, expandiu-se para todas as máquinas da casa.

Atualmente o universo Radioamador pode contar com várias opções de softwares para trabalhar no Linux, veja abaixo o que uso.

  • CQRLog – software completo para gerenciamento dos contatos
  • gLabels – impressão de etiquetas ( para QSLs)
  • FLrig – software para controle de transceptores
  • FLdig – modos digitais (RTTY, PSK, CW, …)
  • Gpredict – rastreador de satélites
  • QRQ – treinamento de CW
  • QSSTV – rx/tx em SSTV e fax
  • WSJTX – modos digitais para sinais fracos, como JT65 e FT8

Ainda tem os softwares que não foram desenvolvidos para GNU/Linux, mas que utilizando o Wine, roda. Tranquilamente. É o caso dos softwares para contest :

  • SD
  • TR4W

A migração para GNU/Linux foi a melhor coisa que poderia ter ocorrido no Shack, pois, melhorei a estabilidade dos softwares, melhor segurança e a máquina já não parece ser tão velha (o Windows 10 deixou a máquina uma carroça).

Não tem nada que eu demande, que me deixa limitado em razão do sistema operacional escolhid